PTI e ABDI fazem demonstração no Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes

Um grupo de representantes de prefeituras, entidades governamentais e associações de classes visitou o espaço, que funciona como uma vitrine de tecnologias e soluções

Imagine unir em só poste iluminação inteligente, câmera de segurança, wi-fi e sensor de ruído de tiro? Em breve, 45 equipamentos com todos esses recursos estarão em funcionamento no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu, e ter seus benefícios de implantação avaliados pelos gestores do Parque. Esse é apenas um dos sistemas que o Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes reúne como vitrine para os administradores dos municípios.

Na noite da última quarta-feira (16/1) o primeiro grupo de representantes de prefeituras, entidades governamentais e associações de classes visitou o Laboratório, criado em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e em funcionamento desde dezembro de 2018.

A partir de agora, essas visitas serão frequentes. A intenção é que a demonstração de tecnologias inovadoras auxilie os gestores públicos em relação aos melhores investimentos que podem ser feitos em benefício das cidades.

Além da iluminação inteligente, o Laboratório reúne, nessa primeira fase, outros quatro sistemas: o compartilhamento de carros elétricos e bicicletas; e os monitoramentos por drones e de condições climáticas e ambientais dos espaços. Todos esses sistemas já eram desenvolvidos no PTI e foram integrados por um Centro de Controle e Operações.

O diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico da ABDI, Miguel Antônio Nery,o diretor superintendente do PTI, Jorge Augusto Callado Afonso, e o gerente do Centro Latino-Americano de Tecnologia

O diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico da ABDI, Miguel Antônio Nery,o diretor superintendente do PTI, Jorge Augusto Callado Afonso, e o gerente do Centro Latino-Americano de Tecnologia

A proposta do Parque Tecnológico Itaipu e da ABDI é que empresas nacionais possam trazer outras soluções para o Laboratório, que funcionará como um ambiente de testes. Nele, poderão ser avaliados, por exemplo, a operação de equipamentos, a interoperabilidade com outros sistemas e a cyber segurança. Nesse contexto, a “minicidade” em que as tecnologias serão postas à prova é o próprio PTI, que em 54 mil metros quadrados de área construída recebe, diariamente, cerca de 7 mil pessoas, entre estudantes, professores, empresários, colaboradores e demais profissionais.

O diretor superintendente do PTI, Jorge Augusto Callado Afonso, destacou que, em um País com mais de 5.500 municípios, os desafios e demandas são dos mais variados tipos, como nas áreas de energia, saneamento, ensino e mobilidade. “Nós, como parque tecnológico, juntamente com a ABDI, estamos aqui para subsidiar soluções e resolver demandas”, afirmou.

O diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico da ABDI, Miguel Antônio Nery, comentou que a parceria com o PTI foi realizada para instalação do Laboratório justamente por o Parque ser um “celeiro tecnológico”. “É uma área que nos dá condições de colocarmos soluções e sistemas que poderão levados, adquiridos e implantados nos municípios da região como referência para todo o País”, pontuou.

Tecnologias acessíveis

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Emprego do município de Mercedes, no Oeste do Paraná, Sérgio Paulino Groff, afirmou que existe um mito de que as tecnologias não chegam às pequenas cidades e o Laboratório prova que isso não é verdadeiro. “Nós, enquanto pequenos municípios, estamos aqui justamente para isso: no momento em que isso é possível de ser acessado, estaremos levando imediatamente essas [tecnologias]. São benefícios que podem atender à população”, disse. Ele considerou todas as soluções apresentadas passíveis de serem implantadas em seu município.

Drones e Geotecnologia na Indústria 4.0

Você já pode marcar na sua agenda: de 25 a 27 de junho acontecem em São Paulo (SP) os eventos DroneShow e MundoGEO Connect 2019, os maiores da América Latina e entre os cinco maiores do mundo no setor. Alinhados às tendências globais e com foco na realidade regional, o tema geral dos eventos este ano será “Drones e Geotecnologia na Indústria 4.0”.

Instagram-Imagem-Post-B2Os conteúdos dos cursos, palestras e debates estão sendo formatados por um time de curadores para atender as demandas de empresas, profissionais e usuários principalmente nos setores de Agricultura, Cidades Inteligentes, Governança Digital, Infraestrutura, Meio Ambiente, Recursos Naturais, Segurança e Defesa.

Dentre as tecnologias disruptivas que estarão em destaque, estão Big Data, Inteligência Artificial / Machine Learning, Internet das Coisas, Realidade Virtual e Aumentada, BIM, Tecnologia Autônoma, entre outras, tudo isso cada vez mais integrado às Geotecnologias (Mapeamento, Cadastro, Imagens de Satélites, Inteligência Geográfica, GIS).

Veja a programação completa de cursos e seminários e garanta sua vaga!

Confira um resumo de como foi a última edição dos eventos DroneShow e MundoGEO Connect:

Imagem: Divulgação